Golf micro-híbrido é tão eficiente como um diesel

Texto: Miguel Policarpo
Data: 20 Março, 2018

O consumo e as emissões são parâmetros com uma óbvia (e cada vez mais crescente) importância, procurando os fabricantes conceber soluções para melhorar a eficiência nestes pontos. Neste caso, a Volkswagen desenvolveu um novo motor a gasolina tão eficiente quanto um Diesel, assegura a marca.

Todos os condutores conseguem alcançar consumos baixos com o motor de 1.5l TSI ACT BlueMotion, garante a Volkswagen. Quando comparado com outros blocos a gasolina, este propulsor é 10% mais eficiente, empregando tecnologias como a Gestão Ativa de Cilindros (ACT), e a função ‘Eco-Coasting’. Quais são os segredos que permitem ao Volkswagen Golf equipado com este motor registar consumos mistos em ciclo NEDC na ordem dos 4,8l/100 km, reduzidos para os 4,0L em percursos fora de cidade? Descubra a tecnologia por detrás deste Golf micro-híbrido que se destaca pela eficiência.

Eficiência, a palavra-chave
Os 10% de aumento de eficiência em relação a outros blocos a gasolina devem-se ao ciclo de combustão Miller em que se baseia o bloco, associado à avançada tecnologia em funções como a Gestão Ativa de Cilindros (ACT) e à 'Eco-Coasting', bem como da integração do turbocompressor de geometria variável da turbina (VTG).
Gestão Ativa de Cilindros – ACT
Sempre que possível, este sistema desliga dois dos cilindros – uma função disponível entre as 1,400 e as 4,000 rpm e em velocidades até aos 130 km/h. O condutor é notificado quando o sistema entra em funcionamento.
‘Eco-Coasting’
O bloco 1.5 TSI ACT BlueMotion quando acoplado á caixa de velocidades DSG tem a capacidade de “seguir à vela”, funcionando como um sistema micro-híbrido. Significa que o motor pode desligar-se em certas condições quando o condutor tira o pé do acelerador, aproveitando o automóvel a energia cinética para manter o movimento. Este modo, apoiado por um sistema elétrico de 12v, possibilita reduções nos consumos de até 0.4l/100km.
Ciclo de combustão Miller
Aliado aos dois sistemas referidos, o ciclo de combustão Miller proporciona um controlo de válvulas otimizado, complementado com a taxa de compressão alta e a sobrealimentação.
Controla-se melhor a mistura do ar e do combustível, registando-se aumentos de eficiência de até 10%. As válvulas de admissão fecham mais rapidamente neste processo.
Turbocompressor de Geometria Variável da Turbina (VTG)
Uma vez que as válvulas de admissão estão abertas um período de tempo mais reduzido, os cilindros necessitam de ser preenchidos por uma carga de pressão aumentada.
Para isso, a Volkswagen utiliza o sistema VTG – uma tecnologia presente em carros de alta performance e que a marca emprega agora aos seus carros com motores a gasolina convencionais. Este sistema aproveita a 100% o fluxo de gases de escape, aumentando os níveis de eficiência.
TSI tem futuro
A Volkswagen vai lançar outras versões deste motor no mercado global. Menos cilindros, blocos mais reduzidos mas mais potência são os conceitos que o fabricante germânico procura conjugar. Soluções híbridas, híbridas plug-in e outras recorrentes a gás natural estão também nos planos.

Leia também: Volkswagen Golf ganha motor 1.5 TSI de 130 cv

Partilhar