Este Ferrari não é um puro-sangue

Texto: Ricardo Machado

A frase é do líder da Ferrari, que afirma que o California não é um Ferrari em toda a plenitude.

 

 

Desde o lançamento, em 2008, que o California tem sido um dos modelos mais mal-amados pelos adeptos da Ferrari. Assim que se soube que nasceu como Maserati, mas acabou como Ferrari devido aos custos de produção elevados, esteve sempre na mira dos críticos. Agora foi a vez do presidente da Fiat, Sergio Marchionne, pôr o dedo na ferida: “Adoro o Ferrari California, tenho dois. Fiquei encantado assim que comprei o primeiro, mas é aquele tipo de desportivo onde, do ponto de vista da identidade, se sente que falta qualquer coisa. Que não é um puro-sangue Ferrari”, disse à revista Motoring. À falta de maiores desenvolvimentos quanto à continuidade do modelo, não falta quem interprete estas declarações como uma indicação de que algo vai mudar.

 

Sergio Marcionne tem sem dúvida andado “inspirado” nos últimos dias, como se comprova quando disse que as pessoas compram Lamborghinis porque não podem ter Ferraris e ainda no curioso diálogo à distância com Matthias Mueller sobre uma possível fusão entre a FCA e o Grupo Volkswagen.