As falhas dos modelos mais vendidos em Portugal

Com base no estudo de fiabilidade da Dekra, revelamos aqui os resultados  de fiabilidade para as anteriores gerações dos modelos que compõem de momento o Top-50 de vendas a nível nacional.

 

A Dekra revelou recentemente um estudo com a análise a mais de 15 milhões de automóveis, que levou em conta pelo menos 1000 unidades de cada modelo avaliado, com vista à descoberta dos carros mais fiáveis por segmento. Após lhe revelarmos esses primeiros dados, levamos agora até si uma análise mais minuciosa aos resultados deste imenso estudo. Como era impossível dar-lhe todos os dados, explicamos de seguida os parâmetros que foram levados em conta:

Geração anterior do Top-50 de vendas nacionais em 2016 (por serem os modelos mais significativos)

Análise aos resultados nos intervalos entre 0 e 50000km e entre 50000km e 100000km,

Valores percentuais para estes dois intervalos em três categorias: carros sem falhas; veículos com danos ligeiros; viaturas com problemas consideráveis

Indicação dos danos mais frequentes por cada modelo

Desta forma procuramos levar até si uma avaliação que tem por base um estudo bastante rigoroso, e que pode ser de extrema importância para quem procura um veículo usado. Foram colocados dois slides por modelo, no primeiro com a indicação das percentagens de carros com falhas nos intervalos 0-50000km e de 50 a 100.000km e a revelação se o resultado está abaixo (positivo, tem menos defeitos) ou acima do segmento. Depois no segundo slide surge a indicação com os problemas mais usuais em cada modelo.

Modelo mais vendido em Portugal, o Renault Clio também consegue um excelente resultado na avaliação da Dekra.
Com um ranking de 95,6% sem defeitos, 1,0% com ligeiros defeitos e 3,4% com defeitos significativos na quilometragem 0-50000km, a principal referência vai para os faróis desalinhados.
O Peugeot 208 obteve os seguintes resultados nas avaliações 0-50000km e 50000-100000km: sem defeitos 92.8/84.7; defeitos ligeiros 3.0/7.6; defeitos significativos 4.1/7.7.
Desgaste sistema de travagem; Problemas sistema iluminação; Erros de armazenamento de informação de emissões. Estas são as três principais falhas apontadas ao leão mais vendido em Portugal.
O Renault Mégane revela resultados dispares na avaliação da Dekra mas ainda assim os resultados são bons nas duas quilometragens e três categorias: 90.8/82.3; 4.0/7.1; 5.2/10.6
Os principais defeitos encontrados são: Desgaste sistema de travagem; Problemas na iluminação; Erros de armazenamento de informação de emissões
Se os alemães da Dekra procurarem um exemplo de excelência no fabrico entre os seus compatriotas, o VW Golf é um bom exemplo. 97.0/92.7 sem problemas, 0.5/1.7 a apresentarem defeitos ligeiros e 2.5/5.7 com defeitos graves nas duas quilometragens colocam-no acima da média do segmento.
Ainda assim, o Pára-brisas deteriorado que dificulta visão ao longe foi apontado como um dos handicaps que este modelo vai ganhando com a idade.
Por ser mais recente, o Renault Captur apenas tem resultados da Dekra para as distâncias 0 a 50.000km. Aqui a sua qualidade fica comprovada pela nota de 97.2 sem defeitos e somente 2,1% com problemas graves.
Também por se tratar de um modelo recente, a Dekra não tem ainda informações relativas a danos mais habituais neste modelo.
91.6/81.9 sem defeitos; 3.3/7.9 com ligeiras falhas e 5.1/10.1 com problemas graves valem uma avaliação positiva neste ranking ao VW Polo.
Problemas no sistema de iluminação; Desgaste sistema de travagem; Amortecedores com folgas. Estes são os três "pecados" que os clientes mais vão encontrar no modelo.
O "pai" da febre dos SUVS e Crossovers tem, curiosamente, uma avaliação negativa da Dekra. Para um resultado abaixo da média do segmento tiveram impacto os 3.3/7.9 com danos ligeiros e os 5.1/10.1 com defeitos mais graves.
As críticas ao crossover são: Desgaste sistema de travagem, da junta esférica, ligação transversal da suspensão e rolamento de haste do motor. Além disso, o sistema iluminação pode também originar dores de cabeça.
O leão 308 recebe uma avaliação positiva da Dekra, que explica que sem danos estão 90.6/81.3 consoante as quilometragens até 50.000km e 100.000km. Os 3.0 e 6.2 com danos ligeiros, respetivamente, deixam pouco espaço para problemas graves.
Tem um Peugeot 308 e quer saber o que o poderá levar à oficina? Aqui ficam os motivos: Desgaste sistema de travagem; Erros na centralina e sistema de escape; Problemas no sistema de iluminação.
Tem um Seat Ibiza? Existe a possibilidade que seja dos 90.0/78.4 sem defeitos, mas estará pior se integrar os 3.6/8.0 com danos ligeiros ou mesmo mal se estiver nos 6.4/13.6 com falhas graves.
Desgaste irregular de discos de travão, as definições de iluminação e Óleo de motor/caixa de velocidades que se escapa são as situações que a Dekra assinala.
O primeiro premium da nossa lista é o Mercedes Classe A, o nono automóvel mais vendido em Portugal ao longo de 2016. A reputação construída, como o título de Carro Mais Fiável para a Dekra ajudam ao resultado.
Surgiu uma nova geração já este ano, mas a anterior teve avaliação positiva. 99.0/96.4 sem problemas e 0.3/0.7 com falhas ligeiras tornam o "A" num exemplo de fiabilidade.
Com falhas ligeiras são apenas 2.9/9.2 de todos os Corsa fabricados, e os 7.5/15.7 com problemas graves não significaram uma nota negativa da Dekra.
Cobertura do eixo de transmissão partido ou mal apertado, Defeitos/folgas nos amortecedores, Molas do chassis partidas são os problemas do best-seller da Opel em Portugal.
A entidade responsável pelo estudo revela que o Astra a surpreendeu. Algo positivo numa análise com 15 milhões de carros, e para que contribuíram os 94.1/ 87,1 imaculados e os 2.1/ 4.6 com falhas ligeiras.
Definições de iluminação, Desgaste sistema de travagem e Molas Partidas. Estes são os problemas que mais poderá encontrar se for proprietário de um Opel Astra.
O Peugeot 2008 obteve nota muito boa neste estudo, e embora apenas existam dados para as distâncias 0-50000km os resultados são de apenas 2,8% com problemas graves e 1,1% com defeitos ligeiros.
Devido ao facto de ser um modelo com pouco tempo de mercado, a Dekra não apontou nenhuma falha específica ao crossover gaulês.
Tal como ocorre com o modelo lançado recentemente, também o anterior C3 é um modelo popular. Mas não no ranking da Dekra, que o coloca abaixo da média do segmento e afirma que somente 73.8/59.3 ficam isentos de problemas. Danos graves ocorrem com 14.4/24.0 das unidades.
A lista da Dekra aponta falhas diversas, com destaque para Perdas de óleo do motor e caixa; desgaste dos discos e pastilhas de travão; suporte de escape defeituoso.
O BMW Série 1 foi destacado pela Dekra dentro do seu segmento, algo para que contribuem as notas de 93.3/84.6 na perfeição e 1.9/5.3 com questões mínimas.
Fissuras por pedras no pára-brisas, Danos nas borrachas do pára-choques e Fugas nos amortecedores são, ainda assim, problemas que se podem encontrar.
O Audi A3 merece também referência como um dos mais fiáveis no mercado de usados. Os 97.8/93.6 sem problemas de fabrico e os 0.4/1.5 onde apenas questões pequenas são apontadas asseguram isso mesmo.
Pára-brisas deteriorado dificulta visão ao longe, Desgaste irregular de discos de travão, Direção desalinhada e desgaste irregular dos pneus são ainda assim pontos negativos.
Trata-se do modelo mais vendido em Portugal da Toyota, mas o Yaris não convence os germânicos da Dekra. Os 6.8/12.3 com problemas ligeiros e, principalmente, os 11.5/20.3 onde os danos se acentuam colocam-no abaixo do segmento.
Desgaste sistema de travagem, Defeitos nas otícas, Embaladeiras corroídas são críticas apontadas ao emblemático modelo que recebeu recentemente um restyling.
Mesmo sem obter as excelentes pontuações do Classe A, também o Mercedes Classe C passa com distinção neste exame. Os 97.0/91.7 sem problemas e os 0.7/2.2 onde se registam questões menores asseguram isso.
Desgaste sistema de travagem, Faróis desalinhados, Emissões demasiado altas/defeitos no sistema de diagnóstico no quadrante. Estas são as três falhas mais comuns.
O Ford Focus não deixa os seus atributos por mãos alheias e a Dekra regista somente 1.1/2.8 com questões ligeiros e 4.0/8.4 onde os problemas se acentuam.
A iluminação será o ponto a que os clientes do Focus devem ter mais atenção.
Os contrário do "irmão mais pequeno", o Auris destaca-se com uma excelente nota. Os 97.1 na perfeição e os 0.8 com críticas menores deixam pouco espaço ao erro.
Este é sem dúvida um modelo a considerar por quem deseja adquirir um usado, pois a Dekra afirma que não é possível apontar nenhum problema que seja habitual à produção. Merece um Arigato à Toyota.
O simpático transalpino 500 da Fiat não alcança sorrisos neste ranking. 11.1/20.8 com falhas graves e 4.4/9.3 com problemas menores levam-no para abaixo da média do segmento.
Além dos faróis desalinhados, destaque para o desgaste nas ligações do chassis e na condição dos componentes de travagem, pois são problemas aos quais os proprietários devem ter atenção.
Um low-cost com boa nota. Os 91.5, 1.3 e 7.3 nos três níveis de análise demonstram que a sua fiabilidade é inquestionável.
Desgaste sistema de travagem e os Defeitos no alcance dos faróis, que podem ficar desalinhados, são situações a ter em conta.
Seguindo as pisadas do 500, também o Fiat Punto ficou abaixo da média. Existem 81.2/63.1 sem falhas e 6.9/15.8 com problemas ligeiros, o que deixa margem a dores de cabeça dos consumidores...
Molas do chassis partidas; Travão de mão com travagem insuficiente e Fuga sistema de refrigeração ajudaram à "negativa".
Não é o Leon da Estrela, mas o modelo espanhol também é famoso. Para tal contribui a sua fiabilidade, já que 97.0/93.9 estão fabricados na perfeição e 0.7/1.8 não tem problemas de monta.
Os sistemas de travagem e de iluminação serão pontos a que os condutores devem prestar especial atenção. Também a cobertura do veio da transmissão deve ser alvo de foco.
Por se tratar de um modelo mais recente, o Série 2 da BMW ainda não tem dados.
Por esse motivo, será necessário esperar uma avaliação futura para conferir a fiabilidade do modelo.
O CLA é mais um modelo da marca de Estugarda a destacar-se pela positiva, com apenas 0.7% da produção a apresentar falhas: 0,2% delas ligeiras, as restantes já consideráveis.
Por se tratar de um modelo considerado "newcomer" pela Dekra, não são especificadas as falhas mais concretas.
Seguindo nas avaliações a modelos germânicos, encontramos o Série 3 a marcar pontos para a BMW. Nas avaliações até aos 50.000 e aos 100000km verifica-se que 93.3/84.6 não registam problemas, e que somente 4.8/10.1 deles têm falhas graves.
Entre os problemas que mais afetam o '3' da marca bávara estão Riscos de pedras nos vidros, as Borrachas dos Para-Choques danificadas e problemas nos amortecedores.
Com 91.8/81.1 sem defeitos e um total de 1.8/5.2 problemas ligeiros neste hatchback, a Ford bem pode fazer a Fiesta...
Os condutores que verifiquem os mais habituais problemas (defeitos no sistema de luzes, problemas na caixa de velocidades, folga do pedal do travão) é que não vão fazer Fiesta nenhuma.
Ao contrário do surpreendente resultado do Qashqai, o Juke obtém uma nota acima da média do segmento. Somente 1.7/6.1 revela problemas ligeiros e 3.6/7.3 defeitos graves.
Os principais motivos para visitas às oficinas com este crossover serão fraca iluminação dos faróis frontais e fugas de óleo.
Embora seja um verdadeiro sucesso de vendas a nível europeu, a Dekra ainda não apresenta dados para o Citröen C4 Cactus.
O facto de ser um modelo relativamente recente leva a que não sejam conhecidos neste estudo os seus problemas mais relevantes e habituais.
Revelando resultados dispares para as falhas consoante as categorias e quilometragens, ainda assim o Passat consegue 92.3/85 de unidades sem falhas e 1.3/3.9 com defeitos ligeiros.
A corrosão no tejadilho e a cobertura do eixo de transmissão rasgada podem ser danos sentidos na berlina.
O Audi A4 também merece elogios, com 0.7/1.6 a terem danos ligeiros e apenas 2.4/4.9 a revelarem defeitos consideráveis.
Se estiver a pensar no que poderá colocar em causa a fiabilidade deste premium, os seus handicaps são faróis desalinhados, danos no pára-brisas causados por pedras e avaria no sistema de limpeza de faróis.
Mais um modelo recente e com avaliação apenas para o intervalo entre 0 e 50000km. Com 98% deles imaculados, restam 1% com defeitos ligeiros e igual percentagem com questões mais importantes.
Devido à escassez de problemas e por ser um modelo recente, não estão especificadas as falhas mais comuns.
O simpático fortwo da smart tem, na anterior geração, notsa positiva, com 3.2/9.6 a revelar problemas pouco graves e 5.9/13.9 que merecem atenção mais efetiva.
A suspensão do motor danificada, travagem desnivelada por desgaste das pastilhas e mínimos desalinhados são questões a que deve ter atenção.
Revelando os resultados de 98.0' ; 0.4; e 1.6 nas três categorias para intervalos até 50.000km, o Volvo V40 vê a sua fiabilidade elogiada.
A Dekra afirma mesmo que não consegue encontrar problemas que sejam recorrentes em diversas unidades do modelo mais pequeno da marca sueca.
Somente 4.8/9.6 com danos graves, a que se juntam 2.8/9.9 que reportam questões menores, estes são os registos que valem nota positiva no segmento ao Kia Rio.
Defeitos a nível do sistema de luzes e discos de travões desgastados são "doenças" que afetam este modelo coreano.
Com as notas nos três fatores e duas quilometragens a sifrarem-se nos 98.4/95.4; 0.5/1.4; 1.1/3.2 verifica-se que o Classe E da Mercedes é bom e sabe resistir à passagem dos tempos.
Defeitos nas luzes diurnas e desgastes dos discos de travão são problemas recorrentes para os mecânicos da Mercedes resolverem.
Com registos de 2.1/5.6 com danos ligeiros, a que se junta 4.8/9.1 da produção com questões mais significativas, o citadino germânico está bem Up no seu segmento.
De referir que para os clientes do Up que a "idade" neste Volkswagen começa a significar erro no sistema de airbag, luzes diurnas avariadas e suporte de tubo de escape solto.
O Fiat 500X é mais um exemplo de um modelo que, por ser recente, não figura neste estudo da Dekra.
Como tal, não podemos ainda indicar quais os problemas mais propensos a causar dores de cabeça aos proprietários.
O pequeno C1 da Citröen revela registos acima da média do segmento para danos significativos até aos 50.000km e para danos ligeiros até aos 100.000km. O estudo indica nestas categorias valores de 3.4/13.4 e de 9.8/14.7.
A Dekra refere, no entanto, que não existem danos significativos neste modelo, embora o desgaste do sistema de travagem mereça atenção mesmo nos modelos com menos quilómetros.
Com 93.6/85.8 da produção impecável e somente 4.1 / 6.2 a revelar danos significativos, o Kia cee'd merece nota positiva pela fiabilidade.
Ainda assim, o sistema de iluminação pode ser origem de diversos problemas que tenha de ver no mecânico.
Pela propriedade da marca estar nas mãos bávaras, espera-se que a qualidade dos Mini seja elevada. A BMW não deixa créditos por mãos alheias e o modelo tem somente 3.4/13.4 a revelar danos ligeiros e 9.8/14.7 com questões mais graves.
Embora não sejam propensos a causar chatices aos seus donos, os Mini podem ter questões relacionadas com iluminação e para-brisas. Bem menos chato que as perdas de óleo dos anteriores...
O Fabia não dará chatices à generalidade dos seus clientes, com cotação acima da média do segmento nos carros sem problemas (87.1/74.5) e abaixo no que se refere a danos graves (7.5/4.7).
A ligação transversal defeituosa e os discos de travão danificados são o lado menos atrativo da passagem dos anos pela Fabia.
Foi recentemente lançado o novo Micra, que se espera capaz de manter os elevados indíces de fiabilidade do antecessor. Os 2.8/6.6% da produção com defeitos menores e os 6.4/2 onde as falhas se acentuam garantem tranquilidade à generalidade dos clientes.
Os erros no diagnóstico de bordo e valores do tubo de escape muito altos são situações que podem surgir neste modelo nipónico.
O anterior forfour não deixou boas memórias, e as falhas mecânicas são um motivo. A Dekra da-lhe nota negativa, com resultados de 66.3; 14.1 e 9.6 nas três categorias.
Emissões do tubo de escape muito altas, sistema de detecção de anomalias onboard defeituoso, ajustamento do alcance dos faróis avariado, travões de disco danificados são a receita para o "desastre" na avaliação da Dekra.
Ao contrário de outros modelos da marca já referidos, o Fiat Panda recebe louros neste estudo, pois 93 não tem problemas e em 1.5% das unidades só existem falhas menores.
A Dekra refere mesmo que não consegue encontrar qualquer problema em escala significativa na produção deste modelo.
Há um dado a destacar em relação ao Audi A1: é fiável, com registos de falhas ligeiras somente em 1.1/2.9 e danos consideráveis em 3.4/6.1 de cada 100 exemplares produzidos.
A iluminação é a questão que dará mais problemas aos proprietários do modelo mais pequeno da gama do fabricante de Ingolstadt.
O Mazda CXZ-3 é mais um modelo que ainda não figura no índice da Dekra,
Por essa razão, não são ainda conhecidos problemas que possam afetar significativamente a produção do crossover.
Os registos de 2.4/6.3 com danos ligeiros e 8/14.4 com danos graves não são os mais negativos da lista. Mas o Dacia Duster está num dos mais competitivos segmentos (SUV) e por isso a Dekra refere que os resultados estão abaixo da média.
Defeitos a nível do sistema de luzes, discos de travão danificados e, curiosamente, a buzina avariada são questões que afetam significativamente este robusto modelo.
O Peugeot 108 é mais um modelo que não entra neste estudo de fiabilidade.
Assim, não são conhecidas questões que possam afetar a fiabilidade do citadino gaulês.

 

Descubra também neste outro estudo, da autoria da JD Power, quais as marcas em que pode confiar mais…

Fonte: Dekra

Fotos: netcarshow

Partilhar